O que aprendi depois dos 30

Aprendi que qualidade é mais importante que quantidade. Aprendi que se respeitar é mais importante do que impressionar. Aprendi a gostar mais de quem eu sou, do que da pessoa que os outros querem que eu seja.

Aprendi a buscar o equilíbrio e ser mais honesta com os meus anseios, e a não deixar que o que os outros fazem, desejam ou conquistam tenha impacto na minha vida. Aprendi a ficar focada em coisas que me façam feliz e me tragam satisfação, e não apenas em coisas que possam me trazer dinheiro.

Aprendi que o tempo é precioso e não vale a pena gastá-lo com o que vai me deixar chateada ou entediada. Aprendi a colecionar momentos e sabores, ao invés de coisas materiais que se compra em lojas. Aprendi que não vale a pena encher a cara e ir trabalhar atrasada no outro dia de ressaca.

Aprendi a valorizar mais os meus princípios e valores. Aprendi a não dedicar a minha amizade a pessoas que não estão tão conectadas comigo. Aprendi que é preciso ter muito cuidado com relacionamentos tóxicos e pessoas âncoras. Aprendi a reconhecer para mim mesma quando sinto ciúmes, raiva ou inveja. E aprendi a pensar sobre isso até o ponto de entender de onde vêm esses sentimentos para poder me reconciliar comigo e com as minhas fraquezas.

Aprendi que a grama do vizinho nem sempre é tão verde quanto parece, e se realmente é, não é por pura sorte, mas porque ele se dedicou muito ao jardim (na maioria das vezes)! Aprendi que falar outra língua faz toda a diferença na vida profissional e pessoal. E aprendi o quanto é saudável ter um dinheiro guardado e uma conta corrente positiva.

Aprendi que mais importante do que ter um corpo bonito a qualquer custo, é ter saúde. Aprendi que as partes mais importantes do meu corpo são o coração e o cérebro e não os glúteos e seios. Aprendi que não dá pra sair de casa sem filtro solar. E que fio dental e relaxante muscular devem estar sempre na bolsa ou na gaveta do trabalho.

Aprendi que reclamar não adianta se eu não descruzar os braços e arregaçar as mangas. Aprendi que a minha vida está só começando, e que eu não preciso ser tão ansiosa.
Aprendi que tomar um belo café pela manhã faz toda a diferença para o dia.

E aprendi que a felicidade é muito subjetiva, e que algumas pessoas preferem comprar, outras preferem conquistar. E que para alguns a felicidade é grande e cara, e para outros ela pode ser pequenina e passar voando, como uma borboleta.

tim-wright-127008

Porque decidi vender meu carro e investir o dinheiro?

Post inspirado pelos verios e ofli

Certamente, há 3 meses, esse foi um passo maravilhosamente bem dado.

Tudo começou com a vontade de querer mais liberdade e claro, com a indignação de ser “assaltada” com o altíssimo preço que pagamos por sermos escravos de um automóvel, aonde culturalmente somos criados para ter sempre um ou dois na garagem.

No nosso caso:

  • moramos perto do trabalho e o tempo no transporte é curto e as conduções são vazias;
  • com isso não enfrentamos trânsito ruim (escolher morar no centro foi opção há três anos qndo percebemos que ter qualidade de vida é ter Tempo)
  • o comércio de Brasília é muito completo e variado;
  • estamos muito próximas do metrô e do ônibus;
  • não temos filhos;
  • nossos estudos são online (faculdade e cursos de idiomas);

Vantagens de ficar sem carro:

  1. Não me preocupo com estacionamento (nem pago por isso);
  2. Não me importo com o posto que tem a gasolina mais barata;
  3. Não pago mais para lavar o carro;
  4. Menos uns impostos a pagar: IPVA, licenciamento e DPVAT;
  5. A possibilidade de adquirir multas de trânsito caiu drasticamente (Brasília existe um exército de “pardais”);
  6. Posso beber sempre que eu quiser;
  7. Não pago mais seguro;
  8. Não me preocupo com flanelinha;
  9. Não precisa ter dinheiro na carteira pra andar de Uber ou Cabify;
  10. Não me preocupo e nem pago pelas revisões e manutenção do carro;
  11. Acabo me exercitando um pouco mais, pois faço pequenas caminhadas diárias;
  12. O dinheiro do carro está rendendo num fundo de investimentos;
  13. Não possuo um bem na garagem depreciando dia após dia.

Desvantagens de ficar sem carro

  1. Ter que suportar a falta de educação e o mal humor dos motorista e cobradores;
  2. Ficar desconfiada toda vez que tô numa estação de metrô ou ponto de ônibus;
  3. Limpo meus sapatos com mais frequencia agora;
  4. Fico suada às vezes na caminhadinha;
  5. Tenho que esperar em média 5 minutos pela chegada de um motorista quando peço no App.

 É claro que não é uma decisão fácil e que isso não se encaixa para todos os perfis. (longe de mim querer evangelizá-los). Sabemos que o transporte público no Brasil é um lixo !

Mas vamos falar de custos:

depreciação

Note que o carro depreciou na média de R$1.200 por ano e que além de economizar aquilo tudo ali por ano, o valor está investido somando ganhos que a longo prazo pode dar pra fazer boas coisas.

Note que esses valores médios na tabela estão bem baixos, pois não contei troca de peças caras que estragam com o tempo como escapamento, armotecerdores ou troca de pneus. Calculei uma multa média por ano e 33,00 por mês de estacionamento, mas em Shoppings e Cinemas muitas vezes gastamos mais pois Brasília tem um custo bem alto.

Hoje, nós duas juntas, gastamos na média de 280,00 de ônibus e 100,00 de Uber por mês, o que dará aproximadamente R$4.500 por ano. Além disso o dinheiro rende no Fundo, aproximadamente,  uns 14% ao ano.

Coisas que mudaram: tenho comprado algumas coisas pela internet com frete incluso, tenho me sensibilizado mais com as pessoas nas ruas, vira e mexe um amigo oferece uma carona e eu ganho um bate-papo legal!

Passou de 2km ou ta muito Sol eu chamo Uber. Tbm para fazer compras de supermercado, sair a noite ou fim de semana, dias de chuvas e para viajar eu preferiria alugar um carro, que também não é caro como muitos pensam. (mas prefiro mesmo avião)

Por enquanto nada nos incomoda e estamos bem felizes assim, mas como tudo muda com o tempo, quem sabe daqui uns anos eu não troque tudo por uma magrela? Ou compro um caminhão? 🙂

20170105_083231

Vendido em  06/01/17: simples, econômico mas eficaz!

New York travel plan (6 days) / 6 dias em Nova York

Hello, guys!
Today, my brief about travel itinerary is the New York city (in English now :)!

Link da página traduzida pelo Google Tradutorhttps://translate.google.com.br/translate?sl=en&tl=pt&js=y&prev=_t&hl=pt-BR&ie=UTF-8&u=https%3A%2F%2Ftatianasaoli.wordpress.com%2F2016%2F07%2F05%2Fnew-york-travel-plan-6-days%2F&edit-text=&act=url

Firstly we bought the air tickets(Latam  sales promotion) in the last November and then we prepare to issue Agnes’s passport. In March we took the USA Visa smooth.

 1st DAY:

We travelled on June 8th and arrived in JFK airport at 7:30am on June 9th. In Immigration Department I had a little mess because they put us on the separate queues, but soon after everything have been solved.1.jpg

We took the Air Train airport to Jamaica Station and then bought the Metrocard Unlimited (for 7 days – $30) and went to Penn Station at 34th street (big stores street in Manhattan). – Travel time approximate 60 minutes. – I was carrying a backpack and so do Agnes, then after 4 hours I was so tired and we went to the hotel.

The Hotel (Mayflower Howard Johnson) was on Long Island (1st station in Queens). We liked the room/bathroom, customer service, and physical structure a lot. I recommend it!

At 6pm we went to Rockefeller Centre, St. Patricks Cathedral and Times Square. We finished the night at Bubba Gump Restaurant (Times Square). Awesome! – They are specialized in shrimp and the theme of décor is the Forrest Gump Movie.

2

➔ That night I realized that NY is more expensive than Toronto. (touristically)

 

2nd DAY:

In this day we went to meet the Soho, Chinatown, and Little Italy for hours. We had lunch in LA NONNA Italian restaurant that’s situated at Mulberry St. and they have a delicious Marguerita pizza! (this is region that more we liked)

3

After some stores in the neighbourhood, we arrived next to Court, City Hall, World Trade Centre One and September 11 Memorial.
One place quite beautiful and sad simultaneously.

We left the hotel when dusk and took a night off. (our feet were crushed)


3rd DAY:

In the third day, we direct our trip to Art and we went to History Natural Museum and Metropolitan Museum – in the both cases we paid $1.00 each person because they accept a donation for tickets. #tip

4

We took this opportunity to meet the Central Park and stretched our legs on the grass.

We went to the hotel and we dressed up for the night at Times Square. We met the Tonic Bar Karaoke (49th with 7th) and we loved the beers, snacks, and the songs.

We left there approximately 1:00a.m. and we went to hotel seamlessly. Midway I discovered a Tim Hortons Coffeeshop enjoying to drink a ‘double double coffee’.

13412866_1080784518662944_5635773392045280098_n

4th DAY:

This day was my birthday and we went to Brooklyn. We took subway “F Line” and we got off at York Station. We met the street corner that eases up the Manhattan Bridge view (Water St/Washington St):

13418959_1080784681996261_946920600239311572_n.jpg

After the photo session, we went to Jane’s Carousel and Brooklyn Ice Cream Factory (tasty). This local is on edge Hudson River and next to Brooklyn Bridge.

5.jpg

On the occasion, we took the Water Taxi at Pier 1 and enjoyed the boat tour around Manhattan View, Liberty Statue and others five piers on the river.

We had lunch at Greenwich Village (beautiful neighbourhood) and also we went to Wall Street region. We went back to Brooklyn and ended the afternoon at Target Supermarket. 🙂

By night we went to toast my birthday to Tonic Bar Karaoke (when is cool we return) and enjoyed until 2a.m.

6.jpg

5th DAY

This day we slept in.

We had lunch in Chelsea Market and then we went for a walk in High Park.

7

We went to meet the Grand Terminal Central and we went to Mc. Sorleys Old Ale House (next to Washington Square Park) – this place is an Irish Pub wich was open at 1854 and is an excellent bar to drink an artisanal beer ($2.75 each). It’s a place full history and I wanna return as soon as possible.

13385789_972196102888233_1833161342_n.jpg

At night we met friends at Times Square.

6th DAY

Last day we did check out in the hotel at 11a.m. (leave the bags in reception) and we went to buy the last things at Marshalls Store, Bed Bath & Beyond Store and finished at Zio Ristorant (19th st between 6th av/5th av).

8.jpg

We returned to the hotel to picked up our bags and called the Limo($45) to the airport. (travel time:1 hour)

The Latam Airlines was very confused and JFK Airport was slow and crowded.

I recommend this trip. Worthwhile!

 

Aprenda a se motivar no trabalho e dê um Up no seu humor

  1. Alivie os momentos de estresse na ida ao trabalho

Grande parte das pessoas enfrentam congestionamentos antes de chegar ao trabalho. É claro que isso incomoda e já aumenta o seu nível de estresse logo pela manhã, mas aliviar esse momento fará com que você se sinta mais leve. Para quem vai de carro ao trabalho, que tal ouvir uma música relaxante no caminho? Se você utiliza o transporte coletivo, por que não fazer amizades no caminho? Isso pode até render oportunidades de trabalho, sabia? – E que tal trocar o carro, ônibus e metrô por uma bicicleta, sentindo o ar fresco da manhã e do fim da tarde?

  1. Ouse e saia do tradicional de vez em quando

Sabe quando você entra no automático e acaba fazendo tudo igual todos os dias? Se tiver a oportunidade, que tal trocar de trajeto de vez em quando? Ou pegar um Uber ou Táxi às vezes? Ou você pode ir naquele restaurante novo, dar uma passada em um parque ou até parar em um lugar gostoso para tomar um sorvete ou um café na hora do almoço. Você verá como alguns detalhes que antes passavam despercebidos farão o seu dia mais feliz!

  1. Reconheça seu valor

Quando chegar à empresa, pense que você recebe por aquilo que faz e que seu trabalho garante sua sobrevivência, o que significa que você tem seu valor, certo? Procure repetir para si mesmo que você é importante para aquela organização e seu trabalho tem grande peso para o sucesso da companhia.

  1. Aproveite momentos no trabalho para aliviar tensões

Chegar à empresa significa começar a correria. O telefone começa a tocar, alguém te chama, a caixa de e-mails vai lotando… Esses momentos são tensos, sem dúvida, porém você pode aproveitar a hora do cafezinho e do almoço para estar ao lado das pessoas com que mais se identifica. Por que não conversar alguns minutos sobre assuntos que não envolvam o trabalho? Se não tiver jeito, que tal almoçar em lugares diferentes ou ainda, dedicar o tempo de intervalo para praticar algum hobby ou estudar alguma coisa?

  1. Busque energias e pessoas positivas

Sabe aquela pessoa que te bota para baixo? Fuja dela! Contaminar-se com o pensamento de pessoas que estão sempre negativas, fofoqueiras, pessimistas e reclamões te deixa desanimado e frustrado também. Se você está em busca de automotivação precisa ir atrás das energias boas. Por isso, experimente dar boas risadas com colegas de trabalho nos momentos de descontração. Isso eleva o astral!

  1. Mude o seu pensamento no domingo à noite

Muitas pessoas ficam deprimidas e desanimadas no domingo à noite, pois se lembram de suas obrigações do dia seguinte e, imediatamente, ficam estressadas. Para evitar que isso aconteça com você, pense no que fez de bom durante o fim de semana, como no filme de comédia ao qual assistiu e no que pretende fazer durante a semana para melhorar a sua qualidade de vida. Não veja a noite de domingo como uma contagem regressiva para o “sacrifício”. Isso só te prejudicará.

Adotando alguns hábitos simples e mentalizando coisas positivas, como ler um livro ou assistir à um filme leve na noite domingo, ajudará você a enxergar o lado bom das suas obrigações e do seu trabalho. Experimente seguir essas dicas e veja como elas podem ser benéficas para o seu rendimento dentro e fora da empresa.

50 perguntas intrigantes para fazer você pensar

  1. Quantos anos você teria se você não soubesse quantos anos você tem?
  2. O que é pior, falhar ou nunca tentar?
  3. Se a vida é tão curta, por que fazemos tantas coisas que não gostamos e gostamos de tantas coisas que não fazemos?
  4. Quando tudo já está dito e feito, será que você disse mais do que fez?
  5. Qual é a coisa que você mais gostaria de fazer para mudar o mundo?
  6. Se a felicidade fosse a moeda nacional, que tipo de trabalho o tornaria rico?
  7. Você está fazendo o que você acredita, ou você se contenta com o que está fazendo?
  8. Se a expectativa de vida humana média fosse de 40 anos, você viveria sua vida de forma diferente?
  9. Até que ponto você realmente controlou o curso da sua vida?
  10. Você está mais preocupado em fazer as coisas direito ou está fazendo as coisas certas?
  11. Você está almoçando com três pessoas que respeita e admira. Todos começam a criticar um amigo íntimo seu não sabendo que é seu amigo. A crítica é de mau gosto e injustificada. O que você faz?
  12. Se você pudesse oferecer a um recém-nascido só um conselho, qual seria?
  13. Será que você quebraria a lei para salvar uma pessoa amada?
  14. Você já viu insanidade onde depois viu criatividade?
  15. Pense em algo que você sabe  e que você faria diferente da maioria das pessoas?
  16. Como podem as coisas que fazem você feliz não fazerem todos felizes?
  17. Qual a coisa que você não fez e que você realmente quer fazer?  O que está prendendo você?
  18. Você está se apegando a algo que precisa deixar de ir?
  19. Se você tivesse que se mudar para um estado ou país além do que você vive no momento, para onde você iria e por quê?
  20. Você aperta o botão do elevador mais de uma vez? Você realmente acredita que isso fará o elevador chegar mais rápido?
  21. Você prefere ser um gênio preocupado ou uma pessoa simples e alegre?
  22. Por que você está onde está?
  23. Você é o tipo de amigo que quer como amigo?
  24. O que é pior, quando um bom amigo se afasta, ou perder o contato com um bom amigo que mora bem perto de você?
  25. Qual a coisa pela qual você é mais agradecido na vida?
  26. Você prefere perder todas suas velhas memórias ou nunca ser capaz de fazer novas amizades?
  27. Será que é possível saber a verdade sem desafiá-la primeiro?
  28. Alguma vez o seu maior medo se tornou realidade?
  29. Você se lembra daquela vez cinco anos atrás, quando você estava extremamente chateado? Será que aquilo realmente importa agora?
  30. Qual é a sua memória mais feliz infância? O que a torna tão especial?
  31. Em que momento nos últimos tempos você se sentiu mais apaixonado e vivo?
  32. Se não for agora, então quando?
  33. Caso você não tenha conseguido ainda, o que você tem a perder?
  34. Alguma vez você já esteve com alguém, não disse nada, mas depois que se afastou sentiu que tinha tido a melhor conversa da sua vida?
  35. Por que as religiões que apoiam o amor causam tantas guerras?
  36. É possível saber, sem sombra de dúvida, o que é bom e o que é mau?
  37. Se você ganhar um milhão de dólares, você sairá do seu trabalho atual?
  38. Você prefere ter menos trabalho para fazer, ou mais trabalho que você realmente gosta de fazer?
  39. Você sente como se você tivesse vivido o dia de hoje cem vezes antes?
  40. Quando foi a última vez que você seguiu um caminho apenas com o brilho suave de uma ideia em que você acreditava fortemente?
  41. Se você soubesse que todos que você conhece morreriam amanhã, quem você visitaria hoje?
  42. Você estaria disposto a reduzir sua expectativa de vida em  10 anos para se tornar extremamente atraente ou famoso?
  43. Qual é a diferença entre estar vivo e realmente viver?
  44. Quando é hora de parar de calcular riscos e recompensas, e ir em frente para conseguir o que se quer?
  45. Se aprendermos com os nossos erros, por que estamos sempre com medo de cometer um erro?
  46. O que você faria de forma diferente se soubesse que ninguém iria julgá-lo?
  47. Quando foi a última vez que você notou o som da sua própria respiração?
  48. O que você ama? Algum de suas ações recentes expressou abertamente esse amor?
  49. Em 5 anos a partir de agora, você vai se lembrar o que você fez ontem? E sobre o dia antes disso? Ou no dia anterior?
  50. As decisões estão sendo feitas agora. A pergunta é: Você está as tomando por si  ou você está deixando que os outros as tomem por você?